quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Devaneios(repostando)


Engana-se quem olha o meu silêncio e também quem observa minha quietude, pois quando fico quieto é que me torno mais letal e também maravilhoso. Sou todos vocês, e não sou ninguém.

Minha mente cria e minhas mãos dão vida. Dão vida a personagens e verdades que nem cientistas e nem médicos conseguem domar, solto-os pelo mundo, meu mundo!

Como um deus crio mundos e os destruo, mudo o universo e o desdobro em vários. Consumo cada um deles, convertendo-os à minha vontade, só para meu deleite.

Separo vidas, juntando mentiras, até que se tornem verdades, só para depois desmascará-las e juntar as vidas novamente. Sou dono de um poder, quando estou em silêncio, que ninguém pode calar, pois é nele que grito e reclamo meu espaço. Mesmo que não o permitam, eu o tenho, é meu, está em minha mente louca para criar.

Sou capaz de criar um amor tão avassalador que nada fica em seu caminho, destrutivo, mortal e altamente contagioso, para torná-lo cinzas e nem explicar o porque, simplesmente digo "acabou".

Posso levar um personagem aos confins do universo e justificar todas as verdades do mundo, ou simplesmente desacreditá-las. Eu posso, todo escritor pode, mas sem o leitor estes gritos ficarão abafados e morreremos "gritando em silêncio".

É só, agora estou bem, foi só um breve instante de criação, criação intensa, tão intensa que tudo se mistura. Mas, enfim, nem vou precisar de médico. Volto agora para meu silêncio, cuidem-se. 

Achou legal? Não gostou? Comente esta postagem.

Abraço de seu futuro e eterno amigo,
J.C.Hesse

2 comentários:

Milena Liebe disse...

Olá!
Vim retribuir sua visita!
Lindo esse post!

Bjos.

Denis Lenzi disse...

Obrigado por deixar um comentário no CNA. E li o seu texto, que é muito bom. Excelente trabalho. Parabéns!